Tem problema deixar o bebê brincar na areia?

25/01/2017 por Unipreço

Brincar na areia é um jeito gostoso de deixar que uma criança exercite as habilidades motoras dos braços e das mãos, de explorar texturas e consistências e de começar a entender o conceito de cheio e vazio.

Além disso, os tanques de areia atraem muitas crianças e são ótimos para ensiná-las a compartilhar brinquedos umas com as outras.

O problema é que bebês e crianças pequenas exploram o mundo através da boca, e é bem possível que seu filho vá tentar comer areia na primeira vez que se defrontar com ela.

A compreensão do que é ou não comestível demora um tempo e, até lá, tudo acaba passando pela boca para ser experimentado.

Você vai ter que repetir bastante “Na boca só pode colocar comida ou bebida, e areia não é comida”.

A maioria das crianças acaba percebendo rapidamente que areia não tem gosto bom e para por aí.

Mas se seu filho continuar gostando ou você estiver em dúvida quanto à higiene do local (o ideal é que, no caso de tanque de areia, ela fique coberta à noite, para evitar doenças como a toxoplasmose), o melhor é esperar então que o estágio mais intenso de colocar tudo na boca tenha passado, a chamada fase oral, por volta de 2 anos.

Não estranhe se seu filho não gostar muito do contato com a areia no começo. Há crianças que têm aflição de se sentir “sujas” ou que reclamam de andar descalças naquele terreno que para elas é tão esquisito.

Respeite, por um lado, mas não desista da atividade de vez. Ao ver outras crianças brincando felizes, seu filho vai acabar vencendo a aflição, com o seu apoio.