Alimentação saudável no verão

18/01/2017 por Unipreço

No verão o principal desafio que o corpo enfrenta é manter sua temperatura normal em torno de 36ºC frente as altas temperaturas ambientais. Em virtude dessa alteração climática, ocorrem mudanças no organismo para que a adaptação ao novo clima ocorra sem maiores problemas à nossa saúde. Dentre elas, o mecanismo de resfriamento do corpo é essencial, ocorrendo por meio da transpiração, popularmente conhecida como suor. Como suamos constantemente, perdemos quantidades consideráveis de água e sais minerais, como o sódio e o potássio, por isso a importância da hidratação nessa época do ano.

O corpo humano é formado por aproximadamente 60% de água, fundamental para diversas funções vitais do organismo, lembrando que 1 a 2% de perda de água já leva a alterações na função cognitiva, com prejuízos na percepção visual, memória e atenção. Assim, a ingestão de líquidos deve ser constante ao longo do dia e nunca devemos esperar ter sensação de sede, pois esse já é um sinal de desidratação.

Nesse caso, devemos dar atenção especial às crianças, pois como elas possuem a pele mais fina e grande atividade metabólica devido o crescimento, são mais sensíveis às perdas de água e sais minerais, o que pode culminar em desidratação. Para evitar preocupações é importante oferecer bastante líquido às crianças mesmo que elas não tenham vontade e observar sinais de desidratação como olhos fundos, diminuição da viscosidade da pele, moleza, boca seca, choro sem lágrimas e sede intensa.

As recomendações de ingestão hídrica variam conforme uma série de fatores (idade, peso, sexo, nível atividade física, clima), mas em média são de 2 litros para adolescentes e adultos e 1,2 litros para crianças, que devem ser ingeridos na forma de água (principalmente), água de coco (fonte de sais minerais), chás naturais gelados e sucos naturais (fonte de vitaminas e minerais). O melhor é evitar os refrigerantes, porque possuem muito açúcar e calorias, muitos aditivos químicos e nenhum nutriente aproveitável.

Outra mudança do organismo no verão está relacionada à queima de calorias, visto que ocorre uma diminuição da taxa de metabolismo basal, ou seja, gastamos menos calorias em repouso. Isso ocorre porque ao contrário do inverno, onde temos que gerar mais calor para aquecer o corpo, no verão não é preciso e assim nossa necessidade calórica diminui e quem quer controlar o peso tem que prestar mais atenção ao que come. Além disso, como o corpo concentra a energia no processo de resfriamento, a alimentação deve ser mais leve para não sobrecarregar seu funcionamento e evitar mal estar.

Desse modo, os cuidados com a alimentação incluem realizar de 5 a 6 refeições por dia, comendo pouca quantidade várias vezes; consumir uma variedade de frutas, legumes e verduras, que são fontes de fibras, vitaminas e minerais; realizar refeições mais leves, refrescantes e sem excessos; preferir alimentos a base de grãos e cereais integrais ao invés dos refinados; sobremesas a base de frutas (frescas, salada, picolé, gelatina, sorbet); carnes brancas e cortes magros de carne na forma de assados, cozidos ou grelhados.

O que deve ser evitado são alimentos gordurosos (frituras, queijos amarelos, pratos a base de creme de leite, maionese, manteiga), excesso de sal (salgadinhos, petiscos, castanhas), excesso de calorias e açúcar (doces, chocolates, bolos recheados, sorvete de massa, caldas e complementos) e excesso de bebidas alcoólicas, que contribuem para a desidratação e são rapidamente absorvidas, promovendo o acúmulo de gordura no organismo. Tomando os devidos cuidados com a alimentação fica mais tranquilo desfrutar dessa época do ano tão agradável e sinônimo de muito sol, praia, piscina e água fresca!

Fonte: Gabriela Nutricionista